Diamante
Diamante se eu brilho quase que hipnótico.

Algum tempo atrás escrevi um post sobre diamantes e agora trago um pouco mais da história dessas pedras que tanto encantam e que movimentam anualmente uma fortuna incalculável em dólares.

Além da conhecida beleza e valor, os diamantes tiveram um papel importante em nossa história recente salvando vidas.

Sabemos da tradição do povo judaico no comércio e fabricação de joias e são extremamente atuantes no comércio daquelas que são as gemas mais cobiçadas e valorizadas no mundo da joalheria: os diamantes. O que poucos sabem é que existe uma razão histórica para essa tradição. Durante milênios o povo judeu viveu de forma errante e só depois da Segunda Grande Guerra foi criado o Estado de Israel.

Por muitas vezes o povo judaico se viu obrigado a abandonar às pressas suas casas e local onde viviam deixando tudo para trás. Assim se estabelece sua antiga relação com joias, pedras e metais preciosos.

Era preciso investir o dinheiro em algo que tivesse valor internacional, durabilidade inquestionável e que pudesse ser transportado com grande facilidade — os diamantes cumpriam muito bem essa função — e um número incontável de vidas foi salvo durante a Segunda Guerra Mundial. Com os diamantes compravam alimentos e salvo condutos, pagavam subornos e, principalmente, podiam recomeçar suas vidas em um local que os acolhesse. Contrabandeados nas barras das sais e calças ou inseridos nas cavidades corporais, os diamantes foram seus grandes benfeitores.

Garimpo de diamantes
Garimpeiros de diamante em zona de guerra na África

Sobre os “Diamantes de Sangue” – Infelizmente, os mesmos diamantes que tantas vidas salvaram, pouco tempo depois foram responsáveis por uma das manchas mais negras da história do comércio de pedras preciosas.
Parte da produção e circulação de diamantes são resultado da morte e da opressão. Estes são conhecidos internacionalmente como “diamantes de sangue.”

A África do Sul, como é sabido, é a maior produtora mundial de diamantes — tanto em quantidade quanto em qualidade –, mas outros países africanos também produzem e comercializam estas cobiçadas pedras preciosas.

Os diamantes sul africanos financiaram o regime opressor do apartheid durante anos e da mesma forma financiou e eventualmente ainda financia. Apesar dos esforços contrários, dezenas, centenas de guerras e guerrilhas, ditaduras verdadeiramente sanguinárias através do continente africano. Mercenários, guerrilheiros e ditadores de toda espécie se valem do dinheiro obtido com a venda dos diamantes, grande parte das vezes fazendo uso de mão de obra escrava para comprar armas e financiar seus regimes.

Garimpo de diamantes
Diamante bruto nas mãos de garimpeiro em área de conflito

O filme Diamante de Sangue do diretor Edward Zwick (2006), com Leonardo de Caprio e Djimon Hounsou, retrata com bastante fidelidade essa realidade e comércio.

O absurdo chegou a tal ponto, que após muita pressão a ONU determinou o embargo a esse comércio. Deste então, passou a ser exigido um certificado de origem das pedras para que ficasse estabelecido que não vinham de regiões de conflito.

Isso com frequência é burlado ou ignorado, mas limitou de forma bastante substancial o comércio dessas pedras que financiavam o horror praticado em determinadas regiões. Esse é o lado pouco glamoroso de um mercado que movimenta anualmente fortunas enormes e atualmente é controlado em sua maior parte pela De Beers.

Salvar

Salvar

Salvar

Um comentário em “Diamantes, as pedras que já salvaram preciosas vidas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s