Durante os meus mais de 30 anos atuando como joalheiro tive a oportunidade de possuir três lojas: no Rio de Janeiro fui sócio da Plural Galeria de Artes, em Ipanema, criei a Psicose Joias, na cidade de Búzios e também uma loja Psicose Joias na Vila Madalena, em São Paulo.

Nessas lojas trabalhei com artistas plásticos, designers de joias e artesãos. Sempre fiz questão de estar aberto a todos e assim estar sempre receptivo ao novo, ao ousado e ao diferente.

A minha primeira loja foi a Plural Galeria de Artes, em Ipanema, no Rio de Janeiro. Era 1987 e eu era pouco mais que um garoto com meus 20 e poucos anos. A loja havia sido criada pelo artista plástico e artesão joalheiro Caio Mourão em princípio com a minha mãe. Ficava na Rua Visconde de Pirajá. Logo me tornei parte da sociedade.

Na Plural Galeria de Artes, como o nome já diz, não se detinha a um estilo. O conceito vigente era de sempre estar aberto a novos trabalhos e artistas. Esta primeira experiência me ajudou a expandir, olhar ao redor. Quando você se despe dos conceitos pré-estabelecidos e daquilo que está acostumado a lidar, saindo da sua zona de conforto, um mundo novo se abre. É uma experiência enriquecedora.

Na Plural Galeria de Artes havia pinturas, esculturas, gravuras e objetos. E o único ponto estabelecido desde o início era que a joalheria de autor seria o carro chefe. A galeria representava mais de 20 designers de joias de todo Brasil.

interior-da-galeria-de-artes-plural-em-ipanema
Galeria de Artes Plural em Ipanema 1989

A Plural Galeria de Artes era, na realidade, quase uma anti-galeria já que trabalhava de forma totalmente distinta das demais. Não possuía acervo e desenvolvia parcerias inéditas com os artistas expositores. Entre os que fizeram parte desta experiência podemos citar Frank Schaeffer, Adelson do Prado, o músico e também pintor Sérgio Ricardo, Jorge Eduardo.

Durante sua existência a Plural Galeria de Artes promoveu vernissages com artistas plásticos e designers de diversas expressões artísticas — sempre mantendo seu foco na joia de autor.

Era uma época difícil de se trabalhar. A hiperinflação em seu ponto mais alto, alcançando números impensáveis perto de 80% ao mês. A economia totalmente dolarizada e em seguida, com a chegada do plano Collor, a  galeria teve o sim decretado após o confisco do dinheiro.

Um comentário em “Loja 1: Plural Galeria de Artes e a joalheria de autor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s